segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Balança comercial poderá fechar 2013 com pequeno déficit

A balança comercial brasileira poderá encerrar o ano com um pequeno déficit em torno de US$ 2 bilhões devido aos resultados da conta petróleo que apresentou redução das quantidades exportadas e a transferência do registro de parte das importações de 2012 para este ano. Segundo o presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, caso esses dois fatores não impactassem negativamente no saldo, a balança poderia chegar em dezembro com um superávit entre US$ 7 e US$ 10 bilhões.
A queda das exportações brasileira s de petróleo, esclarece José Augusto, chegou a cerca de 50% em relação a 2012. No ano passado, essas vendas chegaram a US$ 11,7 bilhões de janeiro a julho. Este ano, no mesmo período, o total chegou a US$ 5,9 bilhões. Em 2012 foram exportados 28 milhões de toneladas, que representaram uma participação de 8,37% na pauta de exportações. Em 2013, foram exportadas apenas nove milhões de toneladas e a participação caiu para 4,43%.
A principal explicação para essa queda, afirma José Augusto, foi a desativação das plataformas da Petrobras para manutenção e maior utilização de petróleo brasileiro para processamento de derivados. “Há uma expectativa, no segundo semestre, de se voltar ao nível das exportações do ano passado, mas isso é uma incógnita”, afirmou o presidente da AEB. Esse retorno também poderá enfrentar dificuldades na retomada das vendas para os principais mercados compradores.
Com a interrupção das exportações de petróleo, os principais mercados compradores doBrasil reduziram as compras de forma significativa. A China apresentou uma retração de 25%, mas ainda continua sendo o principal comprador; os Estados Unidos reduziram as compras de petróleo brasileiro em 59% e as exportações para lá não deverão recuperar o volume anterior devido à exploração de gás de xisto que deverá fazer uma verdadeira revolução nos EUA. São compradores também a Índia e Chile, que apresentaram redução de 61% e 15%, respectivamente.
O presidente da AEB destaca ainda outro fator que colaborou para reduzir ainda mais a participação da conta petróleo na balança comercial brasileira. Segundo ele, as exportações de óleo combustível tiveram uma queda de 42% entre janeiro a julho deste ano se comprado com o mesmo período do ano passado. Em 2012 foram exportados US$ 5 bilhões no período enquanto que neste ano esse resultado chegou apenas a US$ 2,1 bilhões.
Postado por: Euclides Avila _ Coordenador de Comunicação.

Nenhum comentário: